segunda-feira, 15 de junho de 2015

[Filme] Whiplash - Em Busca da Perfeição




Whiplash: Fora da zona de conforto onde reside a maioria dos filmes musicais, o filme é um espetáculo regido com maestria e precisão

     Imagine comigo a seguinte hipótese: Dois diretores, embora com estilos e interesses opostos, se reúnem para juntos dirigirem um filme. Depois de diversas tentativas, durante o processo as divergências criativas falam mais alto e ambos decidem desistir da parceria e optam por trabalharem a mesma ideia individualmente, cada um com o seu próprio filme. Isso me pareceu ter acontecido com os filmes "Gravidade"(2013) e "Interestelar"(2014), sendo que o segundo saiu em desvantagem não só pelo cronograma de lançamento tardio, mas também devido ao seu roteiro excessivamente cientifico que o torna enfadonho quando comparado ao ágil e acessível ritmo em que segue o "concorrente".
     Outro momento em que considerei a "teoria dos diretores discordantes" foi quando parei para conferir "Whiplash - Em busca da perfeição"(2014): Me pareceu proposital a barbara similaridade do longa com o filme "Cisne Negro(2010)". Enquanto no mais antigo tínhamos uma bailarina atormentada pelo seu diretor artístico, agora temos o dilema de Andrew Newman, um aspirante a baterista, importunado pelos métodos rigorosos do professor do conservatório, sendo ambos os alunos motivados pela utopia da perfeição técnica. Tão quanto na comparação anterior, mas uma vez o tempo se mostrou favorável ao filme que foi lançado primeiro, embora "Cisne Negro" também possua em si diversos pontos questionáveis.
     Em certas cenas de "Whiplash", fiquei com a impressão que o roteiro se tratava na verdade de uma partitura musical com eventuais anotações, tamanho o exagero de cenas melodiosas, embora a maioria de ótimo gosto. Compensando, a direção de Damien Chazelle mantém-se em compasso eficiente com cenas de tirar o folêgo, estas muito superiores as que ele escreveu para o filme também do ano passado e também musical, "Toque de Mestre". E o Oscar de ator coadjuvante dado a J.K. Simmons era obrigatório, sendo que Milles Teller também foi muito competente no papel principal.
     Vencedora do Festival Sundance, a trama do músico que sonha em se tornar uma lenda do jazz sobeja adrenalina. Equilibrando momentos comoventes com outros bastante sufocantes, a película desenvolve uma dinâmica emocionante e imprevisível. O resultado é uma surpreendente sinfonia, com swing e harmonia de sobra para ameaçar temporadas de ballet inteiras.

AVALIAÇÃO: Muito bom.

RECOMENDAÇÃO: Observe que a mensagem de superação implícita no roteiro da trama passa quase desapercebida devido a dureza, a ambição e aos absurdos aos quais o protagonista se submete!


0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada por comentar! Sua participação é muito importante para nós.

Navegue

Tecnologia do Blogger.

Receba as novidades

Seguidores

Translate

Google+

Releia

FanPage

Julliany está lendo:

VEP no Twitter